Pictures of last night ended up online...


 Às vezes bebemos (demasiado). E depois?

Vou contextualizar melhor o assunto. De 25 a 29 de Agosto houve mais uma Feira de Agosto na minha terra natal, em Grândola. As festas já são uma espécie de ritual que todos os anos se repete em moldes mais ou menos iguais: é a altura do ano em que sabemos que vamos rever todos os que já não vemos desde há 1 anos atrás, onde estamos com a família, onde nos divertimos à brava, onde comemos e bebemos sem grandes limites.

Toda a gente tem uma Feira de Agosto na sua vida e outros eventos semelhantes onde não falta comida e, principalmente, bebida. O ambiente é propício a exageros e o mais natural será encontrar a meio da noite a grande parte do grupo já "para lá de Bagdad".

Nesse fim-de-semana da feira raramente faço parte da excepção. Este ano estiquei-me ao ponto "alcoolicamente feliz", tal como já se adivinhava, juntamente com o meu fiel grupo de "escudeiros".  E, o que é que uma pessoa alcoolizada em ambiente de festa se lembra de fazer? "Cenas", daquelas que eventualmente não se vai lembrar com clareza ou as quais vai forçosamente ter que recordar com um registo multimédia qualquer. Bem, no meu caso não houve perdas de memória de espécie alguma, mas ainda assim preocupei-me em ficar com recuerdos do que se passou para tirar teimas sobre os acontecimentos.

Fotografias normalmente saem péssimas, vídeos nem se fala, mas vídeos em directo é a pior ideia possível. Ora pois foi mesmo isso que eu fiz. Um live streaming da Feira de Agosto em Grândola já com bastante embalo alcoólico.

Sendo totalmente honesta, está de "partir o côco a rir"... de mim. Entrevistei o dono de um burro que percorre a feira, usei um tom "à tiá supé beim" e, mesmo sendo nascida e criada em Grândola, consegui dizer que Grândola é uma cidade. Uma paródia. E foi de tal maneira caricato que na manhã seguinte quando me levantei , toda a família já tinha visto e revisto o vídeo, rido e gozado a minha rica figura. Ao que parece toda a gente teve uma manhã mais divertida à minha pala, em especial a minha avó que, segundo consta, se fartou de rir por me ver assim tão "desinibida". Ahahah

E é aqui que chegamos ao cerne da questão. Não há problema nenhum em divertirmo-nos em família e com amigos, metendo alguns copos de álcool à mistura. Somos todos adultos, e desde que estejamos conscientes dos nossos actos e possíveis consequências não vejo mal algum.

Não tenho por hábito exibir as minhas saídas mais alcoólicas (até pouco frequentes), mas também não tenho que propriamente esconde-las. Faz parte. Sou uma rapariga/adulta de 23 anos que gosta de se divertir e gosta de bebidas alcoólicas. So what? Isto não faz de mim menos profissional, ou menos "decente". Acho que não há nada de anormal nisso. Arrisco até dizer que será o mais natural.

"Beba com moderação", não é o que dizem? É disso que se trata. Beber sim, consciente dos limites. E se surgirem registos nas redes sociais de uma diversão mais "aguçada" pelo álcool também não tem que haver dramas. "E se o patrão vê? E se um futuro patrão vê?", se eles virem também terão que fazer esta mesma contextualização, porque também eles são adultos e também eles já tiveram 20 anos. Não estamos a falar de fotografias em que estamos "a cair para o lado" ou com ares "estranhos", estamos a falar de fotografias em contextos de festa com copos na mão e demasiado sorridentes para um estado de sobriedade total ou de directos como o meu a entrevistar o dono de um burro, por exemplo.

Não sejamos cépticos. Não temos que exibir nada, mas também não temos que esconder uma coisa que é normal.

Sem comentários :

Enviar um comentário

Instagram