Love & Forever

Nada melhor do que retomar a escrita após uma semana com uma notícia daquelas mesmo amorosas e apaixonantes. Pois então, os meus pais completam hoje, dia 1 de Dezembro, 28 anos de casados. Sim, ironicamente casaram no "Dia da Independência".

Sabem aquelas histórias de amor eterno em que falamos de casais perfeitos? É assim que vejo os meus pais e, ao que parece, foi assim que conhecidos e amigos de longa data sempre os viram.

Começaram a namorar com cerca de 17 anos e aos 20 decidiram casar-se. Viveram os primeiros anos numa casa do meu avô materno, onde o meu irmão viveu os seus primeiros anos de vida. Até que começaram a construir a nossa actual casa. Esta demorou 5 anos a construir porque no seu grosso modo foi erguida pelos seus próprios braços. Todos os dias eram dias de trabalho na construção da casa e nos seus empregos. Entretanto eu nasci, e já com 1 ano, mudá-mo-nos os quatro para a casa nova.

A minha mãe foi professora, foi gerente de um café, trabalhou numa loja de electrodomésticos e não sei se não me escapa nenhuma profissão. O meu pai trabalhou numa bomba de gasolina, foi electricista, também foi gerente de um café e trabalhou de igual forma numa loja de electrodomésticos com a minha mãe e também sou capaz de me estar a esquecer de alguma profissão. Nunca tiveram medo de fazer o quer que fosse para conseguirem o que queriam. Trabalharam arduamente e foram fazendo as suas conquistas à medida que o tempo passou. Actualmente, a minha mãe trabalha num centro especializado no acompanhamento de pessoas com deficiência mental e o meu pai é militar na Força Aérea.

É impossível adivinhar o dia de amanhã, e eles que o digam. A vida não é um mar de rosas, mas tenho a certeza que a conquista só vale o que vale por ter sido conseguida em conjunto. Apenas com 21 anos, decidiram construir uma vida sozinhos, sem casa própria, sem estudos no ensino superior, realmente do zero. Findos 28 anos, continuam juntos, na casa que construíram, têm um filho já independente e uma filha a estudar no ensino superior e a viver na capital. Olhando para trás, de certeza que ninguém adivinharia que o rapaz das bombas ou a gerente do café ia ter este destino.

Numa altura em que os amores são tão efémeros, em que o casamento é um mero papel que se assina e que se rasca em três tempos, eu continuo a acreditar que é possível amar alguém para sempre. Tudo graças a este casal em quem tenho tanto orgulho e o privilégio de poder chamar "pais". Podem dizer-me que estas relações já não existem, mas enquanto tiver esperança, vou fazer a minha parte e acreditar que são apenas raras, mas que não estão extintas. Basta encontrar a pessoa certa para que tudo seja possível.

Barcelona, 2011

Grândola, 1984

2 comentários :

  1. Parabéns e felicidades! Vocês são muito lindos! A propósito, por acaso, gosta de literatura amadora?>>> O http://jefhcardoso.blogspot.com anseia por seu comentário. Abraço!

    ResponderEliminar

Instagram